Bravatas de Trump podem comprometer confiança na ciência e em vacinas

Artigo
11 set 2020
Imagem
laranja trump

Enquanto a COVID-19 mata milhares de norte-americanos a cada semana e devasta a economia dos Estados Unidos, o presidente Donald Trump e seus aliados tentam, contra toda lógica, retratá-lo como o bem-sucedido comandante da resposta à pandemia. No mês passado, numa entrevista coletiva para promover o uso de plasma de pacientes recuperados como novo tratamento para a COVID-19, o secretário de Saúde e Serviços Humanos, Alex Azar, definiu Trump como “o presidente do direito de tentar”, por ter pressionado agressivamente por novos tratamentos para o coronavírus. Na verdade, o presidente distorceu repetidas vezes a lei Right to Try ("Direito de Tentar") e outros esforços contra a pandemia, numa aparente tentativa de explorar a esperança do público em milagres da medicina. A longa série de tratamentos sem comprovação apresentada por Trump ameaça erodir a confiança nas agências governamentais de saúde, no momento em que ela é mais necessária.

 A lei Right to Try, assinada por Trump em maio de 2018, tem como objetivo ampliar o acesso a tratamentos médicos experimentais, permitindo que pacientes diagnosticados com doenças letais recebam tratamentos experimentais que ainda não foram aprovados pela Food and Drug Administration (FDA). Para ser elegível, o tratamento deve ter passado por testes clínicos fase 1, para comprovar segurança, não deve ter sido aprovado para nenhum outro uso e precisa estar sob investigação ativa, isto é, a pesquisa precisa estar em andamento.

Então, um patrocinador – geralmente a farmacêutica que desenvolve o medicamento ou terapia – precisa concordar em fornecer o tratamento.

Como apontam os críticos, a Right to Try não aborda claramente a questão do acesso a tratamentos experimentais, até porque a FDA já administra um processo de acesso expandido, que permite aos pacientes americanos obter esses tratamentos fora dos testes clínicos. Uma das críticas que se faz a esse processo é o de ser lento demais, mas nos últimos ano a FDA acelerou o método e aprovou praticamente todos os pedidos. Na verdade, a Right to Try parece ter como objetivo reduzir a supervisão da FDA sobre o processo de aprovação de drogas.

Na prática, as restrições da Right to Try – planejadas para garantir que a lei proteja a segurança do paciente e não impeça o desenvolvimento médico – significavam que muito poucas pessoas tinham acesso a tratamento por essa via. Houve bem poucos relatos de pessoas usando o Right to Try com sucesso, muitos acompanhados de casos de empresas abandonado os planos de financiar essas terapias. Embora a FDA tenha proposto uma norma exigindo que patrocinadores da Right to Try apresentassem relatórios anuais, o projeto ainda não foi finalizado. De qualquer forma, num comunicado recente, a agência informou que espera receber até seis relatórios desses por ano.

Mas isso não impediu o presidente americano de apresentar a Right to Try como o seu maior sucesso na área de saúde em seu primeiro mandato. Nos seus comícios na campanha pela reeleição, a Right to Try é destaque, num governo que pouca atenção deu à saúde. “O número de vidas salvas é realmente incrível”, diz Trump, acrescentando que “agora elas assinam um documento simples, pequeno, e, em muitos casos, têm a vida de volta”.

A Right to Try também foi elogiada na Convenção Nacional Republicana. Natalie Harp, que afirma ter tido acesso a tratamento que a curou de um câncer ósseo terminal por meio da Right to Try, discursou na noite de abertura da convenção. Naquela noite, Natalie disse que antes de Trump assinar a lei, “os médicos não me davam o direito de tentar tratamentos experimentais”. Sem Trump, disse ela, “eu teria morrido, esperando a aprovação de novas terapias.”

Mas o caso de Natalie Harp não se encaixa na Right to Try. De acordo com ela mesma, o que recebeu “foi uma droga imunoterápica, já aprovada pela FDA para um uso não aprovado, o do seu câncer”, enquanto a Right to Try não pode ser usada para drogas já liberadas com outros fins. O uso off label de drogas já aprovadas antecede, em muitos anos, a administração Trump.

O mesmo padrão fraudulento emergiu no recente anúncio da FDA autorizando o uso emergencial de plasma de pacientes recuperados de COVID-19 como tratamento. Autorização para uso emergencial é um mecanismo pelo qual a FDA pode permitir o uso de terapia ainda não autorizada em caso de emergência na saúde pública. Para isso, o produto deve ter produzido evidências de que “pode ser eficaz no diagnóstico, tratamento ou prevenção” da doença em questão.

Embora haja um certo debate sobre se o plasma de convalescentes se encaixa nessa definição, está claro que o governo superestimou a capacidade desse tratamento salvar vidas de pacientes de COVID-19. Em recente pronunciamento, o presidente Trump afirmou que o uso de plasma “comprovadamente reduz a mortalidade em 35%. É um número tremendo”. Seus comentários foram endossados por Stephen Hahn, comissário da FDA.

Na verdade, a queda observada na taxa de mortalidade – isto é a redução do número de mortes numa dada população - provavelmente não passava de 5%. Além disso, o estudo citado por Trump avaliou um pequeno subgrupo de pacientes e não teve um grupo de controle e nem peer review, o que torna difícil calcular seu impacto real sobre taxas de mortalidade. Embora hoje Hahn reconheça que os comentários foram enganosos, o presidente não voltou atrás em suas falas.

Embora o plasma de convalescentes seja seguro e usado em outras situações, superestimar a sua eficácia em casos de COVID-19 é simplesmente irresponsável. Se o plasma não se mostrar efetivo, ou não tão efetivo como afirma o presidente, isso pode minar a confiança dos americanos na FDA e outras agências governamentais envolvidas no enfrentamento da COVID-19. Essas alegações dificultam a realização de testes clínicos de alta qualidade, com placebos e controle, que ajudem os médicos a concluir a eficiência precisa do plasma como tratamento. Pessoas que ouviram dizer que o plasma cura uma a cada três vidas não vão querer se arriscar a receber placebo num teste clínico, se podem ter acesso ao plasma por meio do programa de uso emergencial.

Nesse sentido, o secretário Azar está certo ao chamar Trump de “Right to Try President”, já que ele supervisiona a resposta americana à COVID-19. Assim como a Right to Try é uma política superestimada que engana o público, Trump ativamente falseia o status de tratamentos em potencial para o coronavírus. Essas declarações não apenas enganam o público, mas tornam mais difícil para os cientistas a coleta das informações que precisam para determinar se essas terapias são eficazes e como usá-las. Há bons motivos para temer que o padrão do presidente de exagerar nas virtudes de possíveis tratamentos se estenda para qualquer anúncio de uma vacina contra a COVID-19.

A Right to Try e o plasma de convalescentes dão esperança ao povo, como o próprio Trump diz. Mas é a falsa esperança que o presidente explora por motivos políticos. O país precisa de uma liderança baseada na verdade. O governo precisa ter confiança na capacidade do povo de construir uma esperança baseada em fatos e numa compreensão verdadeira do que é necessário para conter e eventualmente eliminar a COVID-19. O público tem o direito de saber a verdade, e o presidente e seu governo precisa dizê-la de forma clara e consistente.

Jeremy Snyder é bioeticista e professor da Faculty of Health Sciences da Simon Fraser University. Este mês, ele lança seu livro “Exploiting Hope” pela Oxford University Press. Artigo publicado originalmente em Undark.

undark

 

Sua Questão

Envie suas dúvidas, sugestões, críticas, elogios e também perguntas para o "Questionador Questionado" no formulário abaixo:

CAPTCHA de imagem
Digite o texto conforme a imagem

Atendimento à imprensa

11 95142-8998 - Jéssica Almassi

11 95142-7899 - André Mascarenhas